Pela janela, entra uma luz fraca que me acerta em cheio nas pálpebras.

Consigo sempre ver-te no avesso delas… lindo e silencioso.

O teu nariz a tocar o meu, o teu respirar a acariciar-me os lábios… como antes.

Puxo os cobertores até ao queixo e fico a ver-te de olhos fechados.

Se não te posso sentir, quero ver-te.

Se não posso ver-te, para quê abrir os olhos?

 

Veja o vídeo que criei sobre o capítulo 20 do livro:

Nunca deixe nada por dizer... Partilhe!

Share on facebook
Share on pinterest
Share on twitter
Share on tumblr
Share on linkedin
Share on print

O que procura?

Faça Parte do meu Grupo Exclusivo

BÓNUS: Após o registo, todos os membros deste grupo recebem gratuitamente 4 capítulos (em PDF) dos meus romances “A Perda” e “Trocada por outra”.

Siga-me no Facebook

Produtos

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Leia a nossa Política de Privacidade.